Na manhã de segunda-feira (12), foi realizada a primeira reunião do ano da Sala de Situação da Dengue de Pinhalzinho. Na oportunidade foi tratado sobre o Programa da Dengue, avaliação das ações que estão sendo desenvolvidas, e demais assuntos.


A preocupação da Secretaria Municipal de Saúde e do Programa Municipal da Dengue é quanto à confirmação de um novo caso de Chikungunya em Cunha Porã, desta vez autóctone, ou seja, a pessoa contraiu a doença dentro do próprio município. “É muito preocupante, porque se espalhar, como é uma doença nova, todos estaremos sujeitos a contrair. Cunha Porã está com 98 focos, número alto, fácil de exporta a doença para municípios vizinhos. Temos que ficar em alerta, a população deve continuar fazendo a sua parte para evitar novos criadouros do mosquito”, ressaltou o secretário de Saúde, Elmo Zanchet. 


Atualmente Pinhalzinho está com 28 focos, 15 casos suspeitos, destes, dois casos em investigação. Hoje, estão instaladas 50 armadilhas no município, cada uma num raio de 300 metros. 


De acordo com o coordenador municipal do Programa da Dengue, Claudir Kollett, a população deve fica em alerta. “Nossa equipe está trabalhando, mas precisamos contar com a parceria da população. O ponto forte do combate ao mosquito é no inverno, então a tendência é baixar o número de focos”, apontou.


Durante a reunião, o secretário confirmou que o Programa da Dengue conseguiu, através do Fundo de Transação Penal, do Fórum de Pinhalzinho, um drone, que auxiliará nas vistorias aéreas. “O drone é moderno e tem capacidade de manuseio de até sete quilômetros distante da base, no valor de R$ 10.850,00. Em contrapartida temos o compromisso de ceder o drone para as Polícias Civil e Militar quando for necessário”, destacou. 


Na reunião também foi iniciado os debates para a realização do 2º Recicla Pinhalzinho, que ainda não tem data marcada.