Apesar de uma gradual recuperação da economia brasileira, ainda há instabilidade no cenário econômico e isso tem reflexos nas transferências do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).


No mês de setembro, Pinhalzinho teve uma queda de 2,58% no repasse do FPM em comparação com setembro de 2017. Mas já em outubro de 2018, em comparação a 2017, teve um incremento de 5,50% no repasse. Assim cobrindo a perda de receita de setembro de 2018. 
O prefeito Mário Afonso Woitexem comenta que as baixas e altas do FPM não atrapalham os andamentos do município, isso graças ao planejamento financeiro iniciado em 2017.


“Num acumulado do ano nós já sabíamos que teríamos uma estabilização no FPM, nenhum incremento, e já a partir de janeiro de 2017 nós começamos a prepara isso, fazendo um planejamento tributário na nossa receita própria. Então, o município de Pinhalzinho, com um planejamento feito ainda em 2017, passou a ter um incremento de quase 16% na receita própria a partir de 2018, tanto é que superamos vários municípios maiores da região, arrecadamos mais de 10% do que Maravilha na receita própria. Também cortamos gastos em todos os sentidos, diminuímos em 50% os cargos comissionados, o que fez com que Pinhalzinho tivesse uma economia nos últimos 20 meses. Temos um bom superávit para que o ano de 2019, que ainda é incerto, nós possamos trabalhar com tranquilidade. Iniciamos obras em fevereiro de 2017 e mantemos obras até hoje. Pinhalzinho é um canteiro de obras e vai continuar assim”, aponta o prefeito.


Pela previsão da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), para novembro e dezembro, o aumento é de 5,7% e 3,5%, respectivamente. Se encerrar o ano com R$ 100,9 bilhões, o FPM de 2018 será 6% maior que o de 2017, incluindo o valor do 1%, a ser creditado em dezembro.