Estamos no Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio. Pinhalzinho aderiu à campanha, intensificando as ações neste ano. A Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Serviço de Saúde Mental, abriu oficialmente a Campanha Setembro Amarelo - Valorizando a Vida, com o lema ‘Todos pela vida, você não está sozinho’, na segunda-feira (02), em um evento realizado no CTG Porteira do Pinhal, envolvendo estudantes, profissionais da saúde e a comunidade em geral.


O suicídio é um problema de saúde pública e considerado tabu ainda nos dias de hoje. Em razão dessa falta de diálogo, o número de vítimas aumentou consideravelmente nos últimos anos. No município de Pinhalzinho, nos últimos sete meses foram 28 pessoas que tentaram o suicídio, sem contar as automutilações. Em toda a rede de Saúde Mental do Município, aproximadamente 800 pacientes se encontram em tratamento. 


Durante os pronunciamentos, as autoridades presentes enalteceram a importância do evento e de se falar sobre o assunto.


“Problemas só são resolvidos quando eles aparecem. Só sabemos que aquilo é um problema quando ele aparece. Em sete meses, 28 tentativas de suicídio no município que nós tivemos conhecimento, se dividirmos isso por meses, são quatro casos por mês, ou seja, um caso por semana. O número é muito grande e nós temos que ter coragem de enfrentar. O município tem investido no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), localizado no Bairro Bela Vista, estamos fazendo adequações para que possamos realizar um atendimento e um apoio cada vez melhor as pessoas que precisam”, destacou o prefeito Mário Afonso Woitexem durante o seu pronunciamento. 


O ponto principal do evento foi à palestra ‘Suicídio: Falando Abertamente’, ministrada por Abel Petter. Ele é membro da Associação Brasileira de Pesquisas e Estudos em Suicídio, graduado em Psicologia pela Unoesc, especialista em formação em automutilação, prevenção e posvenção em suicídio e auxiliar médico legal no Instituto Médico Legal do Instituto Geral de Perícias de Santa Catarina.  


“O suicídio não é um ato onde a pessoa escolhe morrer, é um ato onde a pessoa quer acabar com o sofrimento dela, com a dor, com aquilo que o atormenta, por isso que o transtorno mental é grave e quantos transtornos mentais que inclusive as pessoas não tem conhecimento, como por exemplo, acham que é algo passageiro, que já vai passar e acabam não procurando ajuda”, ressaltou o palestrante Abel Petter. 


Dia para valorizar a vida
No dia 15 de setembro, será o dia para valorizar a vida, com uma programação especial, com início às 13h30, que contempla uma caminhada saindo da Praça Central até a Praça do Lago, após abertura do evento e na sequência a corrida pela vida também envolvendo as crianças, bem como passeio ciclístico. No mesmo momento terá uma mateada e a várias atividades como oficina de yoga, atividades físicas, danças, pintura facial, pa-kua, contação de histórias, brinquedos, exposição de carros antigos, musica e muito mais.