Na manhã de segunda-feira (10) foi realizada uma reunião da Sala de Situação da Dengue Municipal. Atualmente Pinhalzinho tem 107 focos do mosquito Aedes Aegypti. 


Santa Catarina tem 57 casos confirmados de Dengue, sendo 34 autóctones (transmissão dentro do Estado), 26 com local provável de infecção (LPI) em Itapema, 7 com LPI em Balneário Camboriú e um caso LPI em Camboriú, com circulação de 02 sorotipos DEN-1 e DEN-2. 


Três municípios da região Oeste apresentam alto risco para transmissão de dengue, zika e chikungunya, de acordo com o Levantamento de Índice Rápido para Aedes Aegypti (LIRA), sendo Águas de Chapecó, Palmitos e Quilombo, além de outros 28 municípios que apresentam médio risco para a transmissão e Pinhalzinho está entre eles.


O período de verão que está em curso com chuvas frequentes e calor, facilita e acelera o ciclo do mosquito, por isso, o governo municipal de Pinhalzinho, juntamente com a Secretaria Municipal de Saúde/Setor de Vigilância Epidemiológica e Controle da Dengue realizou a reunião da Sala de Situação, onde tratou assuntos pertinentes ao Programa da Dengue, bem como apresentação do Plano de Contingência para 2019. 


Conforme a coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Ivanete Althaus, Pinhalzinho tem 27 casos suspeitos notificados, destes 25 já foram descartados, um deles confirmado, mas um paciente morador de Brasília, com caso importando. Outro suspeito aguarda resultado do exame.    


Foram apresentadas na reunião, as atividades inseridas no projeto da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Pinhalzinho foi comtemplado em 2016, com o projeto no valor de R$ 100 mil para trabalhar em educação e saúde. A execução deste projeto será em 2019 e 2020. “Realizamos uma parceria com as escolas e com isso serão realizadas diversas atividades com os alunos. Serão uma série de atividade que envolve além da escola, a comunidade em geral, visando atingir o maior número de pessoas possíveis, pensando em ampliar a consciência com relação à parte preventiva que é a forma mais barata, mais fácil, mais simples de evitar a Dengue”, aponta a coordenadora de Vigilância Epidemiológica. 


Algumas metas foram traçadas durante a reunião, que contou com a presença do prefeito Mário Afonso Woitexem. Entre as metas é a limpeza dos terrenos baldios, intensificar as ações nas empresas, a realização de mutirões e pensar em alguma mudança com relação aos catadores de lixos, que recolhem o lixo e depositam em frente a sua casa sem devida separação e condicionamento.