Diante do TAC da Acessibilidade, é recorrente a cobrança da população quanto às adequações nos prédios públicos. O prefeito de Pinhalzinho, Mario Afonso Woitexem, esclarece o assunto.


“Nos órgãos públicos tudo é baseado em orçamentos. Nós estamos trabalhando neste ano de 2017, com base no orçamento projetado e elaborado em 2016,  e nele não foi previsto acessibilidade nos órgão públicos. Se nós tivéssemos em uma situação financeira confortável no município hoje, se tivéssemos dinheiro sobrando, conseguiríamos fazer um ajuste, proporíamos para a Câmara de Vereadores um remanejamento de verbas tirando de uma pasta que estivesse sobrando, mas não dispomos de sobras de recursos”, menciona. 


Woitexem ressalta que o país atravessa uma crise, que a arrecadação no município vem caindo e que estão ajustando e economizando muito o orçamento para dar conta dos compromissos do município com a saúde, educação, servidor público, entre outros. “Estamos, neste ano de 2017, projetando o orçamento para 2018 e, com certeza, no orçamento para o ano que vem, vamos ter que locar esses recursos para serem feitas as adequações de acessibilidade. Nós vamos fazer acessibilidade, vamos estabelecer o nosso cronograma, mas dentro de um orçamento, para que consigamos fazer nos demais espaços públicos”, afirma o prefeito.